Na manhã desta terça-feira, 05, o prefeito Mário Pardini recebeu em seu gabinete o Presidente da Câmara de Botucatu, vereador Izaias Colino, para ouvir um relato que foi feito na tribuna, durante a sessão da Câmara desta segunda, 04. O parlamentar disse durante o discurso no grande expediente, que teria recebido informações de que estaria faltando remédio em alguns postos de saúde de Botucatu.
Para entender a demanda, o prefeito reuniu o Secretário de Saúde e equipes de dispensação de medicamentos da Secretaria de Saúde e Fundação UNI. “Constatamos que o caso apontado pelo Presidente da Câmara é um fato isolado e que diz respeito a um medicamento que é fornecido pelo Estado. Os nossos medicamentos estão em dia, isso é uma das prioridades máximas do meu governo”, explicou Pardini.
O munícipe, que fez a reclamação, utiliza os medicamentos Finasterida 5 mg e Doxazozina 4 mg, que são indicados para tratamento de problemas na próstata.
“Esses medicamentos são entregues aos pacientes na Farmácia Municipal, mas são fornecidos pelo DRS (Diretoria Regional de Saúde) de Bauru, da Secretaria de Saúde do Estado. O que ocorre, é que nós disponibilizamos uma ambulância, que vai três vezes por semana até Bauru, buscar todos os medicamentos do Estado, para que nossos pacientes não precisem viajar até lá. Acontece que muitas vezes nosso funcionário volta de mãos vazias, porque estão falhando com a entrega de alguns itens”, disse o Secretário de Saúde de Botucatu, André Spadaro.
Vale ressaltar que esses medicamentos são de alto custo e não podem ser adquiridos pelo Município. A Secretaria de Saúde fornece todos os itens que contam no REMUME (Relação Municipal de Medicamentos).
“Dessa relação, não há falta. Implementamos um serviço de fiscalização em todas as unidades de saúde, onde um funcionário da secretaria passa rotineiramente fazendo a verificação e apontando a necessidade de suplementação, antes de acabar o estoque, com isso, zeramos a falta de medicamentos no Município”, finalizou Spadaro.  
Neste ano, a Secretaria de Saúde ampliou o aporte de recursos para aquisição de medicamentos. Nos últimos anos eram gastos em média R$ 6 milhões. Em 2017 o investimento deve ultrapassar os R$ 9 milhões.
“Parte desse aumento se deve a procura que aumentou, consideravelmente, pelos serviços públicos, por conta da crise financeira. Nós temos trabalhado forte para absorver essa demanda e ainda estamos fazendo gestão junto ao Estado para que mantenha a dispensação regular”, completou Pardini.
“Importante esse esclarecimento do Prefeito e sua equipe, que tranquilizam a população. Assim que tiver a oportunidade quero subir novamente a tribuna da Câmara para difundir essas informações. A prefeitura tem feito a sua parte, agora o trabalho é cobrar o Governo do Estado para que o povo não sofra com essa falha”, colocou Izaias Colino.