Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), há cinco áreas de destaque no Brasil que precisam ser trabalhadas visando à reindustrialização, no enfrentamento da crise financeira. A primeira diz respeito à Indústria da Transformação Digital, que, segundo a CNI, em entrevista veiculada pelo portal Época Negócios, “é uma área na qual devemos investir muito em 2023 para nos tornarmos mais competitivos no mercado global.”

A segunda área se refere às energias renováveis. Conforme a diretoria de tecnologia e inovação da CNI, “todos os estudos das grandes consultorias dizem que o Brasil é o país mais bem colocado para a produção de energias renováveis.” A terceira, e mais promissora, é a de biotecnologia. Afinal, em um país de dimensões continentais, seis biomas e um oceano com múltiplas possibilidades, as chances de liderança para a indústria de biotecnologia são reais.

As últimas duas compreendem a saúde e a economia circular. Sobre a primeira, a diretoria considera que “são poucos os países que conseguem ter um sistema unificado de saúde, o Brasil está numa posição privilegiada para avançar no setor.” Em relação à segunda, é notável o quanto as pessoas têm cogitado criar um mundo para si mesmas daqui a 100 anos. Nesse sentido, a economia circular avalia formas de produzir recursos sem esgotar as reservas naturais, o que é uma estratégia muito benéfica para o Brasil (e para o mundo).

Esforço de reindustrialização visa retomada do setor

Geraldo Alckmin, vice-presidente do Brasil, assumiu o cargo de ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, defendendo a reindustrialização do país, voltando a ser uma potência no setor. Para auxiliar, a CNI elaborou um plano de retomado para os primeiros 100 dias de governo.

No plano de retomada, constam propostas como: dar continuidade ao processo de acesso do Brasil à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE); implementar uma política industrial para o país; acelerar a integração internacional do país; estimular a inovação; recriar o sistema de financiamento e garantia às exportações e reduzir o custo Brasil.

É fundamental investir em infraestrutura

Para que tudo isso seja colocado em prática, é preciso investir em infraestrutura para a indústria, passando por aspectos básicos ao pleno funcionamento dos mais diversos segmentos, desde pintura industrial até incorporação de tecnologias associadas à Indústria 4.0 e automação. Ainda segundo a CNI, “é preciso entender que, para qualquer uma dessas áreas, é fundamental contar com uma infraestrutura fornecida pelo Estado. […] Não adianta investir em energias renováveis se não houver locais para armazenamento de hidrogênio, ou barcos que transportem essa energia, por exemplo. Então, a infraestrutura faz parte de qualquer meta de desenvolvimento da indústria no país”.