Oimpacto transformacional da propulsão nuclear no projeto, operação e emissões de um navio porta-contêineres de 14k TEU e um petroleiro Suezmax de 157k DWT foram moldados pela ABS e pela Herbert Engineering Corp. (HEC) em um estudo inovador.

Este comunicado de imprensa inclui multimédia. Veja o comunicado completo aqui: https://www.businesswire.com/news/home/20230726156372/pt/

A concept design developed as part of the study. (Photo: Business Wire)

A concept design developed as part of the study. (Photo: Business Wire)

A ABS contratou a HEC para realizar o estudo a fim de explorar o potencial da tecnologia avançada de modernos reatores para propulsão marítima comercial. O estudo foi concebido para ajudar o setor a entender melhor a viabilidade e as implicações de segurança da propulsão nuclear e dar suporte a futuros projetos de desenvolvimento.

O estudo, que envolveu informações dos principais desenvolvedores de reatores nucleares, moldou o impacto de dois reatores rápidos de 30 MW refrigerados a chumbo no porta-contêineres, descobrindo que provavelmente aumentaria a capacidade de carga e a velocidade operacional, eliminando a necessidade de reabastecimento durante toda a sua vida útil de 25 anos. No navio Suezmax, o estudo descobriu que a adição de quatro microrreatores de tubo de calor de 5 MW,àmedida que diminui a capacidade de carga, aumentaria as velocidades operacionais e exigiria apenas reabastecimento uma vez durante sua vida útil de 25 anos. Ambos os navios conceito emitiriam zero CO2.

“Nossas descobertas desta última pesquisa de ponta destacam por que o setor não pode se dar ao luxo de ignorar o amplo potencial oferecido pela propulsão nuclear, tanto em termos de redução de emissões quanto de eficiência operacional. Um mundo com emissão líquida zero é mais facilmente obtido através da propulsão nuclear, e estamos estabelecendo as bases para este futuro hoje. Transformar isto em uma realidade prática irá exigirá apoio significativo do setor público, sendo que a ABS está bem posicionada para reunir governos e o setor”, disse Christopher J. Wiernicki, Presidente e Diretor Executivo da ABS. “Os reatores modulares avançados ou pequenos tratam de muitas das questões tradicionalmente associadasàenergia nuclear para uso marítimo comercial, com maior segurança e eficiência, custos reduzidos e prevenção de desperdício e proliferação. Contudo, muitas perguntas precisam ser respondidas e é essencial que o setor avalie estas tecnologias visando a segurança.”

“A HEC sente o prazer de poder apoiar a ABS e explorar a aplicação prática da energia nuclear a bordo. Este estudo vem nos ajudando a entender em detalhes o potencial da tecnologia de reatores modernos e como isto irá afetar o projeto e a operação de futuros navios de grande porte”, disse Robert Tagg, Arquiteto Naval Principal Sênior da HEC.

A ABS está desempenhando um papel pioneiro no suporte ao desenvolvimento da propulsão nuclear para embarcações comerciais. O Departamento de Energia dos EUA (DOE) concedeuàABS um contrato para pesquisar barreirasàadoção de propulsão nuclear avançada em embarcações comerciais. O DOE também contratou a ABS para respaldar a pesquisa em integração termoelétrica de um sistema de propulsão nuclear em uma embarcação comercial que está sendo executada pela Universidade do Texas.

Sobre a ABS

A ABS, líder mundial em prover classificação e serviços de consultoria técnica aos setores naval e de offshore, está comprometida a definir padrões de segurança e excelência em projetos e construções. Com foco na aplicação segura e prática de tecnologias avançadas e soluções digitais, a ABS trabalha com o setor e clientes para desenvolver conformidade precisa e econômica, desempenho otimizado e eficiência operacional para ativos marítimos e de offshore.

Sobre a HEC

A HEC fornece serviços de consultoria marítima, projetos de navios e desenvolvimento de software para armadores, operadores, estaleiros e agências governamentais.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Contato:

Para mais informação

Assessoria de Imprensa da ABS:jmire@eagle.org

Fonte: BUSINESS WIRE