Mais de 80% das pessoas preferem produtos personalizados
Mais de 80% das pessoas preferem produtos personalizados

Uma pesquisa realizada pela Dassault Systèmes e divulgada pelo portal de notícias G1 estimou que 83% das pessoas preferem consumir itens personalizados. O mesmo documento indica que esse público está disposto a pagar até 25,3% a mais por itens que atendam às suas necessidades individuais.

O estudo ainda reforça a importância da personalização para os consumidores modernos e demonstra que as pessoas valorizam a oportunidade de criar produtos que reflitam sua individualidade e tenham significado pessoal. Nesse contexto, uma vez que exista a demanda por tal tipo de produto, também passa a existir empresas para suprir a demanda.

Em Belo Horizonte (MG), um exemplo é o da joalheria Noble Joias. A marca mineira trabalha em seu portfólio sequências de artigos personalizados que capturam momentos na vida de seus clientes.

“A pesquisa reforça a importância de proporcionar aos consumidores a oportunidade de criar peças significativas e personalizadas e vem ao encontro do nosso compromisso de longa data: criação de joias que contam histórias únicas”, explica a fundadora da loja, Graciele Reis.

A especialista em produtos personalizados aconselha que os comerciantes invistam em variedades de artigos diferenciados, para faturar mais. “Os produtos personalizados podem ser o destaque para vendas de Natal antecipado, por exemplo, permitindo que os clientes adquirem peças que carregam significado e emoção”, acrescenta a empresária.

Seguindo essa linha, a joalheira produziu uma série em prata que contempla ícones de três dos clubes mineiros de futebol: América, Atlético e Cruzeiro. “Nossa ideia foi criar uma composição que contém brincos, pulseiras, berloques, colares, escapulários, cordões, pingentes e outros tipos de acessórios estampados pelo escudo, mascote e até a camisa de cada um dos times. Todos os produtos são desenvolvidos a partir de prata 925 e são acompanhados de um selo holográfico. Cada selo é numerado e seriado, tornando-o exclusivo”, acrescenta a empreendedora.