Parte integrante da terceira etapa de adesão ao Cadastro Positivo, o setor de energia elétrica já inseriu mais de 70% de seus consumidores na base de dados da iniciativa. Segundo a ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica, atualmente 55 milhões de usuários já são beneficiados com essa inclusão. O segmento tem potencial de incorporar os dados de 76 milhões de clientes à base do Cadastro Positivo em todo o país.

A proposta do Cadastro Positivo (Lei 12.414 com alterações da Lei Complementar 166, de 8/04/2019), em vigência no modelo de adesão automática desde julho de 2019, é auxiliar na avaliação de risco na concessão de crédito por meio de informações positivas. Assim, os credores podem ter uma visão mais detalhada do histórico de pagamentos de pessoas físicas e jurídicas que solicitam crédito, viabilizando a oferta de condições de crédito mais adequadas a cada perfil. 

“A adesão do setor ao Cadastro Positivo contribui de forma importante para que os clientes individuais e corporativos das concessionárias de energia elétrica possam ter acesso ao crédito, mas, principalmente, a boas condições de crédito, o que é fundamental para o desenvolvimento econômico da sociedade”, afirma Sandoval Feitosa, Diretor Geral da ANEEL.

“Graças à sua capilaridade, o segmento de energia elétrica é estratégico para ampliar a visibilidade creditícia dos brasileiros, promovendo uma série de benefícios socioeconômicos, entre eles a queda da inadimplência, a melhora dos instrumentos de recuperação de crédito e a inclusão financeira”, analisa Elias Sfeir, presidente da Associação Nacional dos Bureaus de Crédito (ANBC), entidade que representa os birôs de crédito gestores do banco de dados do Cadastro Positivo. 

“Agradecemos o apoio da ANEEL, assim como o das concessionárias que aderiram ao programa e a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (ABRADEE), por esse esforço coletivo para a democratização dos benefícios do Cadastro Positivo”, completa Sfeir. 

Após o êxito na inclusão dos dados recebidos das instituições financeiras, telecomunicações e concessionárias de energia elétrica, a quarta fase, referente às empresas de saneamento, segue em andamento, com potencial de inclusão de até 55 milhões de registros.