Desafios na Bolsa: rendimento fica abaixo do IPCA e CDI
Desafios na Bolsa: rendimento fica abaixo do IPCA e CDI

Investir na bolsa de valores sempre demandou cautela e análise criteriosa. Entretanto, a constante mensagem diária sugere que a chave para enriquecimento rápido está nesse tipo de investimento.

Essa percepção leva investidores inexperientes a arriscarem grandes valores, resultando, na maioria das vezes, em significativas perdas financeiras. Robinson Trovó, gestor de investimentos com 20 anos de experiência e certificações CNPI-T, CFG e CGA, compartilha sua perspectiva, abordando aspectos cruciais sobre o mercado financeiro e suas estratégias.

Um ponto crucial que ele destaca é que, ao considerar uma análise de longo prazo, a IBOVESPA, por exemplo, teve rendimento inferior ao CDI e ao IPCA de 2010 até hoje. Para investidores iniciantes, ou mesmo intermediários, os riscos de não alcançar os rendimentos desejados ou sofrer prejuízos são consideráveis.

“É preciso compreender que, ao adquirir ativos de forma inadequada, as perdas são praticamente inevitáveis. A crença de que alguém pode alcançar ganhos extraordinários, grandes percentuais ao longo de 10, 20 anos, precisa ser avaliada com cautela”, alerta o gestor.

Ele complementa: “É vital destacar que a perspectiva de longo prazo na bolsa de valores pode ser ilusória, especialmente se não levarmos em consideração a inflação, a menos que estejamos atentos às oportunidades certas. Optar por entrar no mercado em momentos de baixa, aguardar a valorização e reinvestir, mantendo um olhar atento nas taxas Selic e na dinâmica do mercado, é uma estratégia sensata”.

Ou seja, o caminho deve ser comprar quando os preços estão mais baixos, aguardando a valorização e, quando apropriado, realocar os investimentos para evitar ficar exposto durante todo o tempo. Essa abordagem estratégica é crucial para maximizar os ganhos e minimizar as perdas ao longo do tempo.

Oportunidade de mercado e estratégias agressivas

Trovó destaca a importância de identificar oportunidades no mercado financeiro, enfatizando a necessidade de ser agressivo ao aproveitar momentos únicos, como quedas significativas no mercado de ações.

“Sabendo atuar, é possível ganhar dinheiro, mas é preciso estar atento, sempre montando estratégias, esquecendo aquela máxima de que a bolsa é um investimento de longo prazo. Historicamente, a bolsa de valores não supera a taxa Selic, a taxa básica de juros no Brasil”, explica.

Ele argumenta que, em muitos casos, a renda fixa pode ser uma opção mais segura e rentável, especialmente para quem busca retornos mais conservadores. A comparação entre a bolsa e a Selic é um ponto crucial na tomada de decisão de investimento.

Momento de crise e oportunidades únicas

O gestor destaca que não se pode ter desespero em momentos de crise, pois esses representam oportunidades únicas no mercado de ações. O conselho aos investidores é que esses mantenham a calma durante quedas significativas, enxergando nesses momentos chances de adquirir ações a preços descontados.

“É importante destacar a importância da diversificação da carteira de investimentos como uma estratégia fundamental para gerenciar riscos. Também enfatizo a necessidade de escolher empresas com fundamentos sólidos e desconto em relação ao seu valor intrínseco”, argumenta Robinson Trovó.

Outro alerta feito pelo gestor é sobre a ilusão dos dividendos, sendo que o pagamento de dividendos por uma empresa não garante automaticamente ganhos para o investidor. Isso pelo fato de que no preço da ação ser descontado o valor dos dividendos distribuídos. Assim, os investidores devem considerar essa dinâmica ao avaliar a atratividade de uma ação. Outro ponto é que os dividendos pagos por uma empresa podem ser menores que a desvalorização da ação durante o ano, causando prejuízos.

Investir na bolsa de valores é uma decisão complexa que envolve avaliação cuidadosa, conhecimento do mercado e uma compreensão clara dos riscos. As estratégias agressivas podem gerar ganhos substanciais, mas também carregam consigo um nível mais elevado de risco.

“O histórico da bolsa em relação à Selic, a capacidade de identificar oportunidades em momentos de crise e a gestão eficaz da carteira são fatores essenciais para o sucesso no mercado de ações. Cada investidor deve analisar seu perfil de risco, metas financeiras e horizonte de investimento antes de decidir se aventurar na bolsa de valores”, finaliza Robinson Trovó.