Na última Sessão da Câmara de Botucatu, no dia 23, a maioria dos vereadores rejeitou uma Moção de Apoio destinada ao Presidente Lula, ao Presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco, e à Presidente do STF, Rosa Weber, “pelas medidas adotadas em defesa da democracia, a fim de promoverem a justiça e a reerguerem as instituições ainda mais fortes, repelindo todos os atos antidemocráticos como os ocorridos em 8 de janeiro”.

A Moção foi proposta pelo vereador Lelo Pagani (PSDB), que teve apoio apenas dos vereadores Pedroso (União) e Rose Ielo (PDT), que votaram de forma favorável.

Votaram contra os vereadores Abelardo (Republicanos), Erika da Liga do Bem e Sargento Laudo; e se abstiveram os vereadores Marcelo Sleiman, Palhinha e Silvio. Como a vereadora Alessandra Lucchesi (PSDB) não estava presente, o presidente Cula (PSDB) precisou desempatar com um voto contra, rejeitando a moção.

Antes de votar, o vereador Sargento Laudo pediu destaque, afirmando que não concordava com a moção. Ele declarou que a propositura deveria pedir a soltura das pessoas que foram presas no dia 8 de janeiro, as quais acredita que estão sendo perseguidas. “Esses patriotas não cometeram esses crimes, quem estava quebrando o Congresso foi filmado e é esse pessoal da esquerda, contratado para jogar nas costas dos patriotas que passaram diversos dias em Brasília e não jogaram sequer um papel no chão”, discursou. Ele ainda defendeu que as pessoas envolvidas no ocorrido sejam de fato identificadas.

Em seguida, o vereador Lelo Pagani rebateu que foi mais do que provado por todas as forças de segurança que o que aconteceu no dia 8 foi um ato antidemocrático e uma “facada no coração de quem aprecia a democracia. Sou um democrata e não posso concordar com o que aconteceu naquele dia em Brasília. Não se pode perder as eleições e tentar dar um golpe por não concordar, é preciso mudar essa maneira de pensar”.