As fabricantes de ônibus Caio, em Botucatu-SP e a Busscar, de Joinville, Santa Catarina, divulgaram comunicado manifestando seu compromisso em buscar eficiência na biossegurança humana em seus produtos diante da pandemia ativa de Coronavírus em todo o Brasil e o mundo.
“Por meio de sua equipe de Inovação e Produtos Especiais da Caio – OniPlus, reafirma o compromisso de apresentar soluções que supram as necessidades do mercado e da sociedade, principalmente neste momento no qual a biossegurança é fundamental”, diz o comunicado enviado ao mercado e imprensas.
Desde o início da pandemia, a empresa tem disponibilizado aos seus clientes, itens biosseguros, no programa denominado Caio Protect.
“O objetivo macro é oferecer produtos de fácil e rápida aplicabilidade nos ônibus, aliada ao custo acessível e à garantia da proteção contra vírus e bactérias. Esse conjunto de soluções englobam as fabricantes de ônibus Caio e Busscar, marcas engajadas em tornar a mobilidade coletiva, tanto urbana quanto rodoviária, mais segura e confiável”, detalha o diretor comercial do Grupo, Paulo Ruas.
A novidade agora são itens que compõem o salão interno dos ônibus, com alta performance antiviral e antimicrobiana. Balaústres, apoios de braços, poltronas, garras e materiais encapsulados em PVC, recebem um aditivo durante o processo de manufatura, o que confere a cada um deles a propriedade antiviral, sem alterar o design, aparência (textura), durabilidade, limpeza e manutenção desses itens.
O laudo resultante dos testes realizados em conformidade com a ISO 21702:2019, comprova a redução de 99,9% de partículas virais nos materiais produzidos com o aditivo antiviral.
“A drástica redução da atividade viral demonstra que esses materiais são altamente eficientes no combate a vírus e bactérias. O fato dos testes terem sido realizados com vírus da mesma família do Sars-CoV-2, atesta que nossos materiais são adequados para o uso cotidiano, colaborando para a segurança biológica de milhares de passageiros que utilizam o ônibus como meio prioritário de transporte”, explica o engenheiro de produto da Caio, Rafael Ting Sun Guimarães.

 

(com assessorias)