O QUE AFINAL SERÁ VOTADO PELA CÂMARA?
O projeto nº 073/2017, que tramita na Câmara Municipal, é de autoria do Prefeito Pardini, foi amplamente discutido durantes meses e institui a Política de Bem-Estar Animal, posse responsável e a proteção de animais. Ela fala de MUITA coisa. É um excelente projeto.
A maior parte dele é semelhante à lei existente (Lei nº 4904/2008) que tive o privilégio de presidir a elaboração, em 2008. Ambas as Leis (a atual e a proposta pelo Pardini) NÃO SÃO LEIS SOBRE RODEIOS e NÃO PROIBEM A REALIZAÇÃO DE RODEIOS.
O que elas proíbem é que se for realizado algum evento com animais, estes não possam ser submetidos a maus tratos, tais como: “utilizar ferramentas ou qualquer artifício (…) em especial sedém ou sedenho, agulhadas e choques elétricos, unguentos cáusticos, esporas e outros objetos afiados ou pontiagudos e choques mecânicos, como golpes e marretadas. (ALGUÉM É A FAVOR DISSO?)
ONDE ESTÁ A DISCÓRDIA?
Alguns vereadores apresentaram UMA EMENDA QUE EXCLUI O SEDÉM DA LISTA DE MAUS TRATOS. Isso é o que há de prático, de objetivo em votação. O RESTO É CONVERSA para dourar a pílula e EMOCIONAR OS MENOS INFORMADOS.
Toda a questão é saber se O SEDÉM PROVOCA MAUS TRATOS NO ANIMAL OU NÃO?
Há quem diga que ele não provoca nada ou uma “cócega”.
E aí se pergunta: “- Então porque não se faz o rodeio sem o sedém?”.
Resposta: “Mas sem o sedém o animal não pula!”
E aí a dúvida: “Ora, então por que ele pula quando está com o sedém e para quando afrouxam ele?”
Em 2008 e em 2011 (quando quiseram mudar a lei) os especialistas da Unesp ouvidos pela Câmara disseram que SEDÉM É MAUS TRATOS POIS CAUSA DOR E DESCONFORTO EXTREMO AOS ANIMAIS. A exceção foi um professor de fora que é envolvido na organização de rodeios. Contra o Sedém, dentre outros, o Professor Flavio Massone. Para quem não sabe ele é Professor Titular de Anestesiologia da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Botucatu. Sabe tudo e um pouco mais sobre dor animal, assunto sobre o qual tem dezenas de artigos científicos e livros publicados.
Os argumentos sérios e técnicos, fizeram com que ambas as Câmaras (em 2008 e 2011) reprovassem o SEDÉM considerando-o como MAUS TRATOS E PROIBISSEM SEU USO. Como eu disse o RODEIO NÃO FOI PROIBIDO, NEM ESTÁ PROIBIDO. O que está proibido é o uso de meios cruéis para “incentivar” os animais a pular.
A INDEVIDA EXPLORAÇÃO EMOTIVA DO ASSUNTO
O que se viu na Câmara na noite desta segunda (23/4) foi exploração emotiva pura e simples. NINGUÉM FALOU NADA SOBRE O QUE TRATA A EMENDA que é a proibição do uso do sedém ou não.
Todo mundo é a favor do homem do campo, do pessoal da zona rural. Todo mundo sabe e reconhece que devemos muito a eles pelos alimentos que produzem e pela economia do país. Muitos de nós poderíamos ficar horas falando das ligações suas e dos antepassados com o campo e com animais. Meu próprio pai tinha uma granja cheia de frangos, uma charrete e uma égua de nome “Menina”, este era nosso meio de transporte. E eu pergunto: O QUE QUE ISTO TEM A VER COM A EMENDA em votação?
Falar disso e não do projeto ou da emenda que está em votação é pura APELAÇÃO.
Na verdade, as Festas de Peão hoje são grandes espetáculos que envolvem o rodeio e PRINCIPALMENTE grandes shows sertanejos. Envolvem MUITA grana e interesses, de produtores, artistas, empresários, etc.
Muita gente gosta destas festas e merecem nosso respeito. O tal MUNDO SERTANEJO é de grande agrado popular! Há poucos dias tivemos aqui em Botucatu o show de Fernando e Sorocaba. Mais de 20.000 pessoas na Praça da Catedral! Bacana!
Shows sertanejos e rodeios são hoje espetáculos urbanizados. Sei que o povo da zona rural organiza também suas festas, mas o que está por trás desta discussão, são os grandes eventos. Vi nas redes sociais centenas de pessoas amigas ou que apenas conheço defendendo os rodeios. Quase todos são da cidade. E estão no direito delas. É obvio que quem mora ou vive do campo também goste disso. O que não pode é se explorar este legítimo sentimento e esconder o que DE FATO está sendo votado.
Ouvi um vereador dizer que “as pessoas que moram na zona rural querem, ver seus animaizinhos competirem com os dos vizinhos…” PÁRA… PÁRA… PÁRA! Alguém que já foi alguma vez a um rodeio acha que você pode pegar o seu cavalo, sua vaca ou touro e levar no rodeio para competir com os vizinhos? SÓ PODE SER GOZAÇÃO… Lá estão animais treinados e peões profissionais. Ou alguém acha que as pessoas vão poder ir lá montar em seus próprios animais?
FALA SÉRIO! Alguém acredita que as emendas que liberam o sedém foram feitas PARA garantir os “direitos das pessoas da zona rural”? Para beneficiar aquelas pessoas que acordam as 4 da manhã para tirar leite das vacas ou para ir à roça?
As pessoas do campo merecem todo nosso respeito e admiração e precisam de segurança, de internet, de transporte, de conservação de estradas, de politicas de compras de sua produção por preços justos, de acesso ao emprego, à educação, ao esporte, laser, de tudo isso é muito mais…
MAS NÃO É ISSO QUE ESTÁ SENDO DISCUTIDO NA CÂMARA!
Estão usando o merecido respeito que todos devemos ter com os proprietários e trabalhadores rurais para aprovar uma emenda que quer EXCLUIR O SEDÉM DA LISTA DE MAUS TRATOS. De prático é só isso. Cadê os especialistas para se manifestarem sobre o conteúdo desta matéria?
É valido e legítimo que cada vereador tenha sua posição. Mas vamos ser honestos e verdadeiros.
Vamos informar as pessoas sobre o que está sendo discutido e será EXATAMENTE VOTADO:
a) o Projeto do Prefeito Pardini de bem estar e defesa dos animais.
b) a exclusão do uso do sedém da lista de maus tratos contra animais de rodeio (são as emendas). O resto é desinformação e apelação emocional.
Caldas foi vice prefeito de Botucatu

Antonio Luiz Caldas Junior
Professor Universitário, ex-vereador e presidente da Câmara e ex-vice prefeito de Botucatu