Reprodução da página do TSE
O candidato a prefeito pelo Partido da Causa Operária Pedro Pimentel Pereira, apareceu na lista de candidaturas que aguardam deferimento para registro oficial. Esse partido não tinha diretório em Botucatu até o final de setembro.
“Pedro Pereira, 30 anos de idade. Trabalha como entregador e atua no coletivo de artistas do Partido, o GARI e é redator do Jornal da Causa Operária.  Pedro entrou no partido por conta de sua atuação na luta contra o golpe”, diz uma reportagem do jornal do partido.
Ele tentou ser candidato a deputado federal na ultima eleição, porem não apresentou todos os documentos e teve o registro indeferido.
O PCO vai lançar candidatos a prefeitura em 26 cidades de São Paulo.  A decisão foi tomada em assembleia partidária no dia 12 de setembro. São Paulo, Araraquara, Barra Bonita, Bauru, Sorocaba, Campinas, Piracicaba, Marilia e Registro são algumas das cidades que o partido lançará candidatos. No dia 13, foi criada a comissão provisória em Botucatu.
Esse partido defende o Fora Bolsonaro e união das esquerdas em torno de Lula Presidente.

JUSTIÇA QUER DOCUMENTOS PARA O REGISTRO

Na pagina do TSE nota-se a ausência de inúmeros documentos do candidato a prefeito do PCO.A Justiça Eleitoral deu 3 dias, a contar do dia 7 de outubro para regularização. São mais de 10 questões em aberto, inclusive provas de que realmente fez sua convenção partidária indicando os nomes que disputam as eleições.
Diz a solicitação do Juiz Eleitoral Marcus Vinicius Bacchiega: “Intime-se o PCO(Partido da Causa Operária) para suprir, em 3 dias, as irregularidades abaixo indicadas relativas ao demonstrativo de regularidade de atos partidários e demais documentos com ele apresentados, sob pena de indeferimento do pedido”. Partido tem até o dia 10 para regularização.
OUTROS CASOS – A Justiça Eleitoral, assim como fez com o PCO, tem questionamentos sobre outros postulantes como Mário Ielo e Mário Pardini.
Ielo teve questionamento do Ministério Publico Eleitoral e negou qualquer irregularidade classificando a movimentação do MP Eleitoral como equivocada. O MP Eleitoral questiona gastos com esportes, educação durante o periodo em que Ielo foi prefeito,
Mário Pardini teve questionamento da coligação de Izaias Colino sob alegação de que ele não teria se desvinculado da sabesp em tempo adequado e ter acumulado Salários da Sabesp e Prefeitura, o que seria irregular.
Pardini nega irregularidades e disse que já deu explicações e teve as contas aprovadas.