Na última quinta-feira, 16, o Prefeito Mário Pardini esteve na cidade de São Paulo em reuniões para tratar do projeto de construção da barragem do Rio Pardo. A primeira parada foi na Secretaria de Estado de Meio Ambiente, onde o Prefeito, acompanhado do Coordenador do Escritório de Projetos da Prefeitura, Sérgio Bacchi e do vereador Sargento Laudo, se reuniu com o Secretário da pasta estadual, Maurício Brusadin.
“Formalizamos um pedido de colaboração para o licenciamento ambiental da barragem e nos colocamos à disposição para agilizar este processo o máximo possível. Recebemos um aceno positivo do Secretário, o que me deixou bastante otimista”, citou Pardini.
Depois, também para debater o projeto que garantirá pelas próximas décadas o abastecimento de água em Botucatu, Pardini esteve na diretoria da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, a Sabesp, acompanhado do Superintendente da Unidade de Negócios Médio Tietê (região de Botucatu), Maurício Tápia, para uma reunião com o Diretor de Sistemas Regionais, Luiz Paulo de Almeida Neto. A finalidade do encontro foi solicitar o apoio da Companhia no projeto.
“Sabemos que é um projeto bastante complexo, mas importante. Por isso vamos trabalhar para que saia do papel e seja mais uma importante contribuição na construção do desenvolvimento de Botucatu e do bem estar da população. Como a barragem tem o objetivo do abastecimento de água em Botucatu, a Sabesp poderá contribuir com o projeto”, finaliza Pardini.

Barragem do Rio Pardo

A barragem do Rio Pardo garantirá a autossuficiência no abastecimento de Botucatu nas próximas décadas.
Para se ter ideia, a vazão estimada para atender a população botucatuense no ano de 2040 é de 700 litros de água a cada segundo, muito superior a capacidade média atual de produção do Rio Pardo.
A represa ficará 9 km à montante da Represa do Mandacaru, acima da Cachoeira do Véu da Noiva. Seu volume total de reservação é de 7,7 mil m³. Sua área chegará a 319 hectares, sendo 164 de Área de Proteção Permanente.
Somente a barragem terá 600 metros de extensão, com profundidade que varia entre 15 e 20 metros. O investimento está contabilizado em pouco mais de R$ 50 milhões.

(da assessoria)