Uma das artes mais desafiadoras da atualidade é praticar a empatia, que significa algo além do que se colocar no lugar do outro: expressa humanização e cuidado com o semelhante.

Para ilustrar este significado, o Personagens HC de Botucatu desta semana mostra o trabalho de uma das enfermeiras que atuam na linha de frente do tratamento oncológico, no Complexo Autárquico do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB).

Natalia Cristina Godinho é enfermeira há quase 10 anos no HCFMB, passando, primeiramente, pela UTI Neonatal e pela Enfermaria de Clínica Médica. Desde 2016, mais do que somente exercer suas funções no Ambulatório de Oncologia do Hospital Estadual Botucatu (HEBo), Natalia está em sua missão de vida.

“Quando soube que trabalharia na Oncologia, senti muita alegria, porque foi o local em que sempre quis trabalhar desde o começo da carreira. Desde a faculdade, este tema sempre me encantou, tanto que a dor oncológica foi tema de meu Trabalho de Conclusão de Curso”.

Mais do que aplicar um tratamento, Natalia entende que trabalhar na Oncologia é aproveitar cada dia para vivenciar novas experiências e aprendizados. “Aqui, temos uma oportunidade muito grande de ter um contato mais próximo com os pacientes, de conversar com eles e cuidar de uma forma integral. Todo dia, tem algum paciente que marca nossas vidas, seja por uma história, pelo carinho com a equipe ou pela alegria de viver, mesmo em meio às dificuldades”.

Para a enfermeira, a vivência da empatia é fundamental para trabalhar no tratamento e combate ao câncer, principalmente quando se trata de pequenos guerreiros que, muitas vezes, não entendem o porquê de receberem uma “picadinha” e ficarem longe de casa, da escola e dos amiguinhos. “Trabalhar com o câncer infantojuvenil é sofrido, pois vemos a angústia das crianças e de toda a família, mas é bem recompensador, porque elas se recuperam muito mais rápido e têm uma alegria contagiante, deixando o nosso dia a dia mais leve e colorido”.

E, para tornar o dia-a-dia dos pequenos guerreiros ainda mais leve, Natalia enfatiza o trabalho em equipe, juntando as forças dos colaboradores e as doações arrecadadas durante o ano.  “A nossa equipe é muito boa, temos um entrosamento grande e trabalhamos com muito amor. Por sua vez, as doações, como as do McDia Feliz, trouxeram mais conforto e proteção para as crianças se sentirem em casa, graças aos equipamentos que pudemos receber. Aproveito para agradecer muito às pessoas que contribuem com a gente, pois cada gesto conta muito para os pacientes”.

A enfermeira ainda deixa uma mensagem para quem está enfrentando a doença. “É necessário sempre ter fé e paciência, porque o tratamento é longo e, muitas vezes, pesado, mas precisamos ter esperança de que dias melhores virão e que a vitória vai chegar”.

 

Assessoria HC de Botucatu