“Quanta coisa diferente, linda e simples. Uma nova família, as meninas com sufocos e desabafos- ameiiii isto ser totalmente novo para você. A gente ouve falar de famílias simples, tão do bem que a gente até se envergonha… e idem de meninas que sofreram assédio e estão firme e fortes, frequentando ongs culturais, musicais e artesanais para que encontrem fé pela vida.
Fechou o ano bem e começou melhor ainda. Persistir sempre. 😘”
Raquel Astolfi
Realmente.
Foi um final de ano de aprendizado.
E tapa na cara, claro.
Porque, por mais que eu achasse que era uma pessoa descolada, ahhhhhhh, tenho muito a aprender, muita humildade pra conquistar e muito preconceitozinho pra extirpar.
Os retornos sempre reforçam minha crença de que não estou sozinha nas minhas opiniões.
Aquela noite que você tira pra você.
Lista de detalhes que eu gostaria que o meu filho levasse pra Berlim.
Fiz.
Planos pra despedida.
Fiz.
Descobri que não caibo nos meus novos armários.
Como cabíamos antes deles?
Foram inúmeros sacos de lixo com coisas desprezadas e doações.
Não acaba!
Tenho uma logística intensa pelos próximos meses.
“Bom dia querida! A coluna está muito inspiradora, aprendizados e reflexões. Fiquei emocionada quanto falou do Daniel Comboni, um projeto muito bacana. A realidade difícil da comunidade da juta, uma entre outras da cruel realidade das áreas periféricas do nosso país que tristemente estão cada vez mais abandonadas pelo poder público. Bem vinda ao lar e que possamos neste ano ser mais solidários e aprendizes dessa vida tão maravilhosa e surpreendente. 😘”
Denise Cesário
Depois do encontro delicioso na casa da Rosane, eu, na pilha, fiquei tentando organizar coisas.
Bobagem.
Não rolou.
Assisti série até tarde, acordei tarde, preguiçosa e faminta.
Respeitando a decisão, fiz tudo bem devagar.

Fui pro clube e, quando terminava o km, aquelas pré câimbras nas panturrilhas acordaram e torceram meus músculos.
Tive que parar.
O treino foi muito bom.
Os pensamentos foram da Suka pro Fer, passando por meus filhos, mamãe, cardápio.
Ouvi o Haroldo dizer que o governo está raspando o tacho. Exatamente.
Os penalizados são os de sempre: idosos, aposentados, servidores públicos.
Nenhuma notícia sobre a vacinação.
Muitas notícias tristes da pandemia.
Passei na rodoviária e descobri que vou conseguir passagens grátis pra São Paulo.
Porque a informação estava confusa.
Apenas a cidade de São Paulo cortou o transporte coletivo gratuito pros maiores de 60 anos.
Aqui em Botucatu dos 60 aos 65 anos se paga meia passagem e, depois, é free.
É a minha nova realidade.
Estou adorando isso.
Comprei novos vasos e terra pra trocar as orquídeas que ganhei.
É inacreditável que elas cresçam e floresçam em potinhos.
Dá até pra ouvir as raízes gritando.
Macarrão alho e óleo, filé de frango.
Mamãe está em Cesário Lange há uma semana.
Felizfeliz, aproveitando a piscina da casa da Mari e do Erik pra exercitar as pernocas.
Conversar com ela aquece meu coração.
Te amo mãezinha linda!
“O valioso tempo dos maduros
O tempo passa, os filhos crescem, os cabelos brancos chegam. Pensamos em nossas vidas e fazemos um balanço: o que vivi? Nossa vida é breve, fugidia, capaz de terminar de uma hora para outra. Quando percebemos que o valioso tempo que nos foi dado tem fim e está terminando, passamos a dar valor a ele. Isso é natural do ser humano, damos mais valor ao que falta. Vivemos em um universo de escassez, valorizamos apenas quando percebemos que nos falta.
Essas reflexões não precisam ser privilégio de pessoas maduras, que já viram muitas primaveras. Todos podem pensar sobre seus últimos dias na Terra. E com base nisso, sentir a urgência de viver, de cumprir sua missão, de dar o seu recado. Se pararmos um momento, percebemos que para o mundo não tem muita diferença entre 5, 10, 20 ou 50 anos. Ele seguirá sua jornada, nós é que temos uma janela bem pequena de tempo para experimentar a vida aqui.
O que você quer que seja escrito na sua lápide? Pelo que você deseja ser lembrado? Que tal a partir de hoje encarar cada dia como uma bênção e dar o seu melhor para ser um fator de soma na vida dos outros (Cícero)? Não importa o que passou, mas sim o que você faz com o que passou e segue em frente. Essa inestimável lição é conhecida pelos mais velhos, que tem urgência de viver. O tempo é escasso, não o desperdice. Ouça a sabedoria dos maduros.”
Mário de Andrade
Não desperdiçar o tempo com mimimis, ou inventando problemas, ou se metendo em questões que não nos pertencem.
Lembrar sempre que somos resultado de nossas escolhas.
Aproveitar cada momento de maneira plena.
Escolher as atividades diárias de maneira a ter prazer em cada uma delas.
Agradecer ao acordar.
Agradecer ao dormir.
Agradecer por estar viva.
Para reflexão.
“Temos de descobrir segurança dentro de nós próprios. Durante o curto espaço de tempo da nossa vida precisamos encontrar o nosso próprio critério de relações com a existência em que participamos tão transitoriamente.”
Boris Pasternak
Resistir e resistir.
Seguimos.