Motoristas de Botucatu já sentem nos bolsos as elevações constantes nos valores cobrados tanto da gasolina quanto do etanol, que deixa de ser opção viável. São os maiores preços já registrados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que mensura semanalmente a evolução do comércio de combustíveis no país.

Conforme levantamento realizado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), o preço médio do litro é de R$ 5,504, onde a máxima registrada é de R$ 5,549 e a mínima, R$ 5,44. Em toda a Cidade, o órgão federal promoveu levantamento em oito postos de combustíveis, entre os dias 16 e 22 de maio.

No comparativo com o mês anterior, quando o litro era comercializado a R$ 5,31, o aumento foi de 3,58%. Para o motorista completar o tanque de combustível de um carro popular, modelo hatch cuja capacidade é de 55 litros, desembolsará R$ 302,50.

Uma opção recorrente às altas da gasolina era o etanol. No entanto, o produto oriundo da cana-de-açúcar já custa em torno de R$ 4,39 em alguns postos. Segundo a ANP, os preços variam de R$ 4,28 e máxima de R$ 4,40. No mês, o combustível registrou mínima de R$ 4,09 e máxima de  R$ 4,50. Em comparação com a média de abril, onde as bombas registraram R$ 3,89 por litro, o aumento foi de 15%. Foram analisados dezessete postos botucatuenses.

Para o motorista completar o tanque do mesmo carro popular, modelo hatch cuja capacidade é de 55 litros, desembolsará R$ 241,45. O etanol, no entanto, deixa de ser vantajoso ao motorista, já que pelo cálculo de viabilidade (que consiste dividir o preço do combustível pelo da gasolina), o resultado obtido é de 0,798. Para que seja opção econômica, o resultado deveria ser igual ou inferior a 0,70.

Tradicionalmente este período do ano, que é de colheita da safra, deveria registrar queda nos preços do etanol, fato que não ocorreu por fatores ambientais (estiagens no verão) e também pelo cenário internacional, proporcionado pela alta do dólar e valorização do preço do açúcar, bem como dos impactos da pandemia de Covid-19.

 

Jornal Leia Notícias – Flávio Fogueral