A Polícia Civil de Botucatu identificou rapidamente o aluno da Escola Estadual João Queiroz Marques, que ameaçou fazer um atentado contra a escolas e os estudantes.

De acordo com o Delegado Seccional de Botucatu, Dr. Lourenço Talamonte, o aluno, um menino de 12 anos, além de ter feito postagem na rede social, de forma anônima, ameaçando: “Um dia vou entrar armado na Escola João Queiroz e matar vários”, também havia feito um bilhete, dizendo que gostaria que alunos, funcionários e professores da Escola, e o Presidente Lula morressem.

“O menor já foi identificado. Ele foi conduzido à DIG, foi instaurado procedimento de ato infracional, e encaminhado à Vara da Infância e Juventude de Botucatu, para que o Ministério Público tome as providências cabíveis”, explicou Dr. Lourenço Talamonte, que também chamou os responsáveis pelo garoto.

Menino fez ameaças através do Instagram

Pedido por mais segurança

Após mais uma tragédia envolvendo crianças em escolas e creches, um grupo de mães e pais de alunos matriculados nas creches e escolas do município de Botucatu iniciaram um abaixo-assinado, nesta quarta-feira, 05, pedindo mais segurança nas escolas.

No abaixo-assinado, eles pedem “encarecidamente para aumentar a segurança das escolas e creches dos nossos filhos, com muros mais altos, cercas elétricas, sistemas de segurança como “ouriços” e “mandíbulas” e um segurança na porta das escolas, nosso maior bem são nossas crianças”.

Após os ataques ocorridos nesta quarta-feira, 05, em Blumenau-SC, que resultou na morte de 4 crianças, e no dia 27 de março, em São Paulo, que resultou na morte de uma professora, os pais de Botucatu pedem ao Prefeito Mário Pardini. “Precisamos proteger nossos filhos e professores e viemos pedir para que o Sr. Prefeito Pardini entre com uma medida já para aumentar a segurança em todas as creches e escolas da cidade de Botucatu”.

Clique aqui para ver o abaixo-assinado

LEIA MAIS: Botucatu: Após ataques pelo País, mães e pais de Botucatu fazem abaixo-assinado pedindo mais segurança. Aluno postou ameaça contra escola da Cidade