Daniel de Carvalho é dirigente do PSOL

Uma ato pelas Eleições Diretas Já e impeachment do presidente interino Michel Temer vai acontecer na tarde deste domingo em frente a Prefeitura Municipal, no Largo da Catedral. O ato será as 16 horas e está sendo convocado por coletivos sociais da cidade.

PARA ASSINAR ONLINE O PEDIDO AOS LEGISLATIVO DE BOTUCATU  ACESSE AQUI

 

O documento vai ser entregue na sessão desta segunda-feira, 29, na Câmara Municipal de Botucatu

O Partido do Socialismo e Liberdade vai divulgar um abaixo assinado online pedindo a adesão dos vereadores de Botucatu em defesa das Eleições Diretas e Impeachment do Presidente.

De acordo com Daniel de Carvalho, ex-candidato a prefeito da legenda e dirigente do PSOL, o requerimento é inspirado em ação semelhante da Câmara Municipal de Campinas que aprovou recentemente uma moção pedindo a saída do presidente e novas eleições.

Em Campinas 33 vereadores aprovaram a Moção de Apelo foi encaminhada para a Presidencia da República, Procuradoria Geral da Republica, Presidencias das Camara e Senado Federal

“Inspirado em um ato da vereadora Mariana Conti do PSOL Campinas, que conseguiu a adesão de todos os todos vereadores na assinatura da Moção. Estamos fazendo aqui em Botucatu este movimento para que a Câmara de Botucatu se posicione com a população contra o mandato de Michel Temer, gravado em esquema de compra de juízes e promotores”, explicou.

Daniel de Carvalho afirma que após a ação deste domingo, será protocolado na Câmara o pedido para que os vereadores aprovem moção semelhante. “Devido à urgência na renúncia deste governo comprovadamente corrupto e sua base, vamos coletar as assinaturas online e no domingo durante a Virada Cultural, em frente à Prefeitura, e protocolar o pedido na Câmara na Segunda Feira, pela deliberação do tema no mesmo dia”, observou.

O dirigente do PSOL também destacou que outras cidades estão fazendo ações semelhantes, dada a necessidade de superar a crise politica que o Governo Temer colocou o país, despachando com investigados em sua residencia oficial.

“Acredito que mais cidades também estão se organizando neste sentido e as moções serão enviadas a Brasília após esta etapa. Temer comprou apoio de políticos do país todo repassando verbas para obras e valorização do político nas cidades, mas isso não compra o respeito do cidadão ou da legitimidade a seus atos. O governo Temer acabou”, conclui.