Como é bom acordar de uma noite bem dormida, quando o sono veio tranquilo depois de um encontro delicioso com amigos.
Céu azul, calor.
Bons dias bons.
Café forte e queijo, plantas.
Higiene, mochila, bora fazer as tarefas pra mamãe.
Ontem foi aniversário do genial Milton Nascimento.
Sua voz e músicas se espalharam pelo planeta e nos dão orgulho e prazer.

A primeira vez que ouvi Travessia era menina.
1967.
O Festival Internacional da Canção acontecia na televisão preto e branco da casa da minha família.
Podem acreditar, eu me lembro!

Já essa música, do começo dos anos 1970, fui conhecer com as descoladas amigas Nóbrega.

Depois vieram os discos Minas e Geraes.
Geraes, inclusive, na foto interna do álbum, mostra um crush bem querido da adolescência, Fábio Cecchino Zabani que, até onde sei, mora em Jataí, no Goiás.

Milton Nascimento tem uma obra vasta e todas as suas músicas são do meu coração.
Salve Milton!

Ontem também foi aniversário do Belchior, outro cantante de boas lembranças, e vou dividir o espaço entre eles.
No final dos anos 1970 conheci Belchior na voz da diva Elis Regina.

Foi paixão a primeira audição.
Fui atrás de conhecer o autor, aquele cantor de voz rouca, de versos e presença forte.

O Brasil ainda vivia a ditadura.
Erasmo Dias era o terror personificado com sua polícia que abordava, batia e prendia.
Descobri, na minha primeira aula de sociologia, que duque de Caxias foi um carniceiro.
Me rebelei, desci do salto, mudei de modelo, cortei o cabelo, e saí da casca.
Belchior e Milton, entre outros, fizeram minha trilha sonora.

Vivas pra música popular brasileira!
Hoje a Pretinha estava num grau de excitação absurdo.
Mamãe estava ótima.
Fui ao mercado e parti pra Ferrô.

Nem acredito que fiz o km de revezamento em 28 minutos. Um recorde pessoal inesperado. Felizfeliz.

O grupo Giramundo, de titereiros e seus bonecos, está completando 50 anos de  atividades.
Um sucesso, internacional inclusive, que mostra que sim!,  é possível levar cultura às pessoas e viver disso.
Parabéns!
Escolhi Pedro e o Lobo porque é das minhas histórias preferidas, contada pela vó Lydia, e que fala da malignidade da mentira.

Aí lembrei dessa frase:

“Mentirosos precisam ter boa memória.”
Algemon Sidney, político inglês séc XVII.

Maurício de Souza, o quadrinista que encanta a todos nós, completa 85 anos de vida, sendo 70 de atividades.
Na minha família, Mônica e Cebolinha, Cascão e Chico Bento, o meu preferido, Rosinha, Bidú, Floquinho, e tantos mais … ahhhhhhh, quantas e quantas gargalhadas e emoções.
Gratidão Maurício, vida longa!
Amanhã é aniversário dessa pessoa incrível, carinhosa e gentil, engajado e musical, Carlos Ramos, o Carlão tãotão querido!
Amigo, sou muito feliz por termos passado do cumprimento, no relógio de ponto do corredor central do HC, a essa amizade bacana, de boas prosas, risadas e muitos encontros de comidas e tim tins.
Te desejo tudotudotudo de divino e maravilhoso, do bem e do zen, sempre e pra sempre.
Beijão!

Presente musical, pra você que é muito fã…

Lanchinho com água de coco e frutas – ontem exagerei no Gulas, afff – e duas horinhas de sol no clube, pra energizar.

Amanhã começa a pintura.
O projeto quarto em andamento.
O tempo passando rápido.
Minha ansiedade trato com  natação, leitura e música boas.

Vai dar tudo certo, vai sim.

Volto com a coluna na sexta-feira porque tenho muito trabalho nesses dois próximos dias e preciso me concentrar.

Estou muito feliz e grata por mais essas conquistas.
A vida é bela.
Tudo é uma questão de determinação, disciplina e dedicação.
E boas escolhas, sempre.

Para reflexão.
“Não tenhamos pressa.
Mas não percamos tempo.”
José Saramago

Resistir a todo momento.

Seguimos.