Tantos fatos, tantas informações e contradições, tive um sono turbulento e acordar foi um alívio.

Mais um dia lindo nos dias que se acumulam.

Banho e café com queijo quente.
Revigorante.
Plantinhas.
Energizante.
Tive uma manhã de leitura na rede. Libertador.

Li bastante e, depois, fui pra cozinha.
Reaproveitar os alimentos já processados e transformar em outra comida.
Criatividade, diversão e larica.

No grupo da minha família materna, os “cabeceiras” como nosso avô Ruy nos chamava, fotos das bodas de ouro dos avós foram um carinho. Obrigada prima linda.

Assisti parte do discurso que deu posse ao novo ministro da saúde.
O eleito chamou o ministro da economia de Doutor, com ênfase e ironia.
Continua se manifestando pela volta das atividades comerciais.
E o novo ministro falou em equipes multi-ministeriais de atuação contra a pandemia.
Depois teve abraços, risadas e aglomeração gigante no palácio do Planalto, onde as restrições de contato físico não são seguidas pelos ungidos.
Inconsequência descarada.

Bem diferente do desgoverno é o que está rolando pelo país.

Infelizmente as notícias sobre Manaus são muito tristes. Quase Equador.
No único hospital que tem UTI, corpos em macas ao lado de pacientes ainda vivos.
A cidade, com dois milhões de habitantes, recebeu do ministério o “reforço” de 5 médicos, 2 enfermeiros e um hospital de campanha com 18 leitos.
Muito mau dimensionado e uma economia de recursos que beira ao desprezo.
Hoje chegaram containers frigoríficos pros cadáveres.
Terror nos tristes trópicos.

Fortaleza está no limite.
Rio de Janeiro também.
Capitais sem leitos de UTI.

No Rio o exército se prepara pra um caos com o aumento de mortos.
Cremação coletiva? Fornos!
Estou lendo um livro de horror?

O governo de São Paulo prolongou novamente a quarentena até 10 de maio.
Hospitais lotados e o isolamento social caindo todos os dias.

Em Botucatu 55 empresários se reuniram com o prefeito e seu gabinete de prevenção.
A proposta era de reabertura do comércio num esquema de rodízio de segmentos.
Foram convencidos que o risco é grande demais pra população.
Mas, via mensagens, houve muito violência verbal.
Já começaram as demissões nas indústrias. E pequenos empresários já começam a desesperar.

Já são quase 2.200 famílias em luto no Brasil.

E continuam as denúncias sobre falta de EPIs.
E os tais testes que ainda não chegaram.
E fraudes em licitações para as compras pró saúde.

Então é assim.
Tudo bem na família.
Muita solidariedade rolando.
Muitas tristezas por aí.

Essas contradições tem movido a quarentena.

Um texto bacana pra vocês:

“O silêncio é uma grande terapia.Quando ficamos quietos e concentrados, poupamos energia, conseguimos nos voltar para dentro e até mesmo ajudar a curar o corpo.Todo dia a mente precisa de um espaço tranquilo para se refrescar e refletir, da mesma forma que o corpo precisa de pausas regulares para descanso e alimentação.O refrescar ocorre quando a mente é capaz de recarregar-se para manter-se positiva, leve e criativa.Reflexão (olhar para dentro) é o tempo que damos a nós mesmos para refinar nossa compreensão interna de situações externas, de modo que a nossa interação com os outros seja de boa qualidade. Através da reflexão podemos mudar a nossa maneira de pensar, sentir e interagir.”
Texto da Universidade Espiritual Mundial Brahma Kumaris que recebi da amiga Silvinha.

#fiqueemcasa

Seguimos.