Em algumas horas, na tarde de sexta-feira, o muro do quintal ganhou uma obra linda.
Pedro Morato, meu sobrinho amado, arrasou!
Muito honrada estou.
Gratidão.


Sábado.
Decidimos prestigiar meu irmão Erik e a querida Mari.
Pedro, Larissa e Francisco ainda não conheciam o paraíso que eles chamam de casa.
Tivemos um encontro muito gostoso, com boa prosa, boa comida, histórias e muita brincadeira na piscina.
Música boa também, claro.
Estar com vocês é sempre muito especial!


Domingo.
Acordei com a lua cheia na janela do meu quarto.
Pouco mais de 5 horas.
Noite bem dormida, acordei faminta.
Queijo e café. Voltei a dormir.


Não fui a carreata pela vacina e por #foraBolsonaro porque não tenho carro.
Infelizmente.
Me senti representada pelos amigos que lá estiveram.


Hoje minha querida Miriam Segre entra pro grupo dos sexygenários, vivas!
Estudamos juntas no colegial do La Salle.
Quando engravidei do Diego fui convidada a almoçar na casa da sua família, na rua Vitória Régia, e nunca vou esquecer o carinho com que fui recebida.
Anos depois nos reencontramos no festival de Águas Claras, em Iacanga.
Sempre boas lembranças com você!
Que seu caminho seja sempre abençoado, ao lado da sua família e dos seus amigos!
Parabéns guerreira!
Presente musical…

Manhã de domingo totalmente mergulhada nas memórias de Maya Angelou.
Quanta riqueza nas observações de uma criança!
Uma menina negra do Arkansas segregacionisra!
E, em um parágrafo descrevendo uma mudança difícil, ela conta que uma amiga diz que Maya sempre terá um gênio conjurado pra protege-la: os livros!

Me emocionei!
Também tenho esse “gênio” maravilhoso ao meu lado, desde que aprendi a ler aos 5 anos.
E quanta força e conhecimento tenho recebido através das palavras, ahhhhhhh!
Obrigada, tia Dolores, papai amado, professora Isabel Benine, por sempre terem me incentivado a ler.
Meu canal no YouTube, A Leitura Liberta, é uma homenagem de gratidão a vocês.

Drinks enquanto preparava um pseudo arroz carreteiro.
Sempre ouvindo o Baú do Fofat, claro.

“Fiquei sozinha um domingo inteiro. Não telefonei para ninguém e ninguém me telefonou. Estava totalmente só. Fiquei sentada num sofá com o pensamento livre. Mas no decorrer desse dia até a hora de dormir tive umas três vezes um súbito reconhecimento de mim mesma e do mundo que me assombrou e me fez mergulhar em profundezas obscuras de onde saí para uma luz de ouro. Era o encontro do eu com o eu. A solidão é um luxo.”
Clarice Lispector, em “Um Sopro de Vida”

Almoçar e curtir The Voice+.
Domingo esplendoroso.
Calor calor calor.

Madrugando a segunda-feira, 01/02/21.
Começando o 12º mês de pandemia e vida estranha.
Exausta de tudo isso!
Sem me comparar aos guerreiros da saúde, claro! Não seria hipócrita.
Exausta de tudo o que piorou com a pandemia, como o desgoverno e a corrupção, o aumento da previdência, dos preços da alimentação, fura filas da vacina, da loucura daqueles crentes no insano…meo Deeeeuuuusss!

Acordei com a chuva.
Dia branco.
Café da manhã.
Banho.


Hoje é aniversário da querida Bete Nitrini.
Conheci através da Silvia Machado e me encantei com a pessoa, o sorriso, a inteligência, a historiadora e leitora.
Esposa do Renato, bunitaaaaa do bem viver, Bete é uma jóia.
Parabéns, beijão!


Também é aniversário do querido Léo Papa, o amado marido da sobrinha Priscila e pai da tchuquice chamada Clara.
Léo, te desejo tudotudotudo de booooommmm, do bem e do zen.
Beijão da tia!

Segunda-feira, dia de resolver agendinha da mamãe.

A Major Matheus estava com pouco movimento de pessoas.
A Caixa Federal já não tem o toldo, mas  tinha fila.
No mercado, preços altos.
Fico pasma quando ouço os índices mentirosos da inflação.

Conversei no centro de saúde escola e logo irão vacinar minha mãe.
Fui muito bem atendida e agradeço.

Em casa.

Hoje é dia de eleição na Câmara federal e no senado.
Jogo sujo. Cartas marcadas.
Distribuição de verbas maior do que todo o investimento em saúde durante a pandemia.
Distribuição de cargos em todos os escalões.
Um chiqueiro político dos mais infames.

O Brasil que não me representa.
O Brasil que me exaure.
O Brasil que não quero mais saber.
O Brasil que me faz sentir impotente, descontente, deslocada, chocada.
O Brasil que me envergonha.

É de perder o apetite, sério!

Mas estou aqui em minha casa, onde posso ter asas e me alheiar num livro ouvindo boa música.

Para reflexão.
“Sinto falta do banho de mar, do sol, do picolé. Da água de coco, da companhia de amigos… De tudo. Mas “o melhor lugar do mundo é aqui e agora”. Esse lugar ao qual me refiro não é necessariamente geográfico ou topográfico. É um lugar especial, um lugar interior. Onde quer que a gente esteja, o melhor lugar do mundo é onde você está. E é agora, o tempo de hoje. Na verdade, isso é sobre a meditação. Essa meditação necessária que todos os seres, todos os humanos precisam fazer exatamente pra aguentar o tranco da dificuldade do mundo, que é muito grande. Gerir a existência nesse mundo é uma coisa complicada. O aqui e agora é um pouco isso. É a meditação sobre essa necessidade de estarmos íntegros, completos a qualquer momento e em qualquer lugar.”
Gilberto Gil, no seu canal, semana passada.

Serei resistência, siiiimmm!

Seguimos.