Vital Brazil
“Fiz uma parte do que gostaria de fazer pela humanidade”

GRAFIA DE NOMES 1
Óbvio é que tem uma equipe chegando e outros dos velhos tempos que não ligam, mas a Prefeitura de Botucatu deveria ter mais cuidado ao citar as denominações do patrimônio e vias publicas da cidade. Primeiro resolveram mudar a grafia do nome do cientista Vital Brazil. No mundo inteiro, até lá na França – no Instituto Pasteur –  quando citam esse brasileiro e mineiro que viveu em Botucatu na virada do século passado (pesquisava na rua Amando, onde é o Bar e Restaurante Pirâmides, na Praça do Bosque), escrevem o sobrenome dele com Z (Vital Brazil) como é o correto. Aqui – talvez por sacanagem do Saci – mudaram o nome e puseram placas de sinalização identificando ‘um tal’ de Vital ‘Brasil’ que os governantes conhecem.

VITAL BRAZIL EM TESE
Vital Brazil deixou as cobras por um tempo e veio a Botucatu para clinicar, por pressão da esposa e mãe, e deu no que deu. Descobriu um curador de cobra, a pulmeria e perdeu o medo por serpentes: “Em 1895, devido às preocupações da esposa e da mãe com os perigos que corria no contato com tantas doenças (em suas pesquisas), resolveu tentar clínicar em Botucatu. Como médico do interior teve contato com acidentes ofídicos, bem como tomou conhecimento dos tratamentos disponíveis e a confiança que as pessoas depositavam nos curadores de cobra. Um velho mestre lhe falou das “virtudes curativas da Pulmeria, empregada com resultados positivos no tratamento das mordeduras de cobras” (p.X)”…

…”Vital decidiu então examinar a questão, montando um pequeno laboratório, onde juntou “raízes, caules e frutos para o preparo de extratos e tinturas” (p.X). Ressalta, “Tive de vencer a mim mesmo, ao medo inato das serpentes. Era preciso colher o veneno em estado de pureza, em ordem a poder avaliar-lhe a qualidade” (p.X). Os resultados das experiências foram todos negativos. Foi à leitura de resumos dos trabalhos de Calmette que o direcionaram a outro caminho. (Cad. hist. ciênc. vol.7 no.2 São Paulo  2011 Maria Lucia Mott; Olga Sofia Fabergé Alves; Carlos Eduardo Sampaio Burgos Dias; Carolina Santucci Fernandes; Nelson Ibañez).

GRAFIA DE NOMES 2
Na Vila dos Lavradores tem uma praça que é Cavalheiro ‘Virgínio’ Lunardi, que por razões não se sabe, há muitos anos o logradouro vem sendo chamado de Praça Cavalheiro ‘Virgílio’ Lunardi. Imagine alguém que tem um título honorífico da nobreza italiana ser chamado de ‘cavaleiro’ e de ‘virgílio’, como já aconteceu e não vai parar tão cedo…Não há Cavalheiro do Rei e da Rainha da Itália e Napoles que aguente.

GRAFIA DO NOME 3
Pergunte a um Luiz com ‘Z’ se ele se reconhece, ou como desdenha, quem grafa o nome dele errado? O prefeito Mário Pardine Eduardo da Fonsecca deveria observar isso e criar um procedimento padrão para os homenageados pela contribuição ao desenvolvimento e a história dessa cidade, quando citados. Causa o mesmo desconforto quando citam a cidade de Bofééte ao invés de Bofête, ou quando a primeira dama de Collor mandou um abraço para ‘Bocatatu’.

Mapa aponta onde fica o Jardim Peabiru

GEOGRAFIA
Outra coisa é onde começa e termina a Vila Maria? Os cidadãos do Jardim Peabiru (que carregam o estigmatismo da violência e pobreza, junto com o Jardim Brasil) ‘ganhou’ um espetacular complexo esportivo, mas ninguém sabe, pois as matérias divulgadas falam da Vila Maria. O campo denominado ‘Estádio Petrarca Bacchi’, do extinto “Esporte Clube Brasil de Vila Maria” fica no Jardim Peabiru, loteamento que surgiu no final dos anos 1960 e teve suas primeiras residencias início dos anos de 1970. O time da Vila Maria tinha o campo no bairro vizinho, onde Mário ‘Pardine’ jogou muitas vezes… Não custa nada, na duvida, consultar um mapa da cidade ou o pessoal do cadastro imobiliário do município informar onde fica!

NA CAMPANHA
O problema com logradouros na cidade não é coisa nova na vida de ‘Pardine Fonseca’. Na maior parte da campanha eleitoral feita para o Radio em Botucatu, inúmeras vezes a produção do programa, contratada em São Paulo, citava ruas como avenidas e avenidas como ruas. Ao menos até o final da campanha descobriram a Botucatu nossa denominada Terra da Aventura

CORREIO ZERO
Cada vez mais o contribuinte brasileiro sofre com a má gestão. Aqui em Botucatu quem tem conta a pagar e recebe a cobrança via correios, vai pagar com multa. Cada vez mais as correspondências banais e não tão banais chegam atrasado. Os funcionários defendem-se dizendo que estão sobrecarregados, mas também se recusam a dar declarações, dizem ‘temer’ perseguições… Mal pagos e perseguidos no assédio.

DECEPÇÕES
Assim como muitos eleitores petistas, os tucanos estão se sentindo traídos pelo Aécio Neves, entre outros. Assim como petistas, os tucanos que se sentem traídos dizem não sair do partido. Ao menos assim se manifestou recentemente o tucano Fabiano Cecílio, que organizava os atos de ‘Fora Dilma’ na Cidade e usou camisetas “A culpa não é minha. Eu votei no Aécio”, que anunciou na rede social sua decepção com o mineiro-carioca senador Aécio Neves, mas garante que não vai sair do PSDB, pois comparou: Quando seu time cai pra segunda divisão voce deixa de torcer?”. Ele quer um novo recomeço nacional, estadual e municipal. confira o post divulgado na rede social:

PASSIONAL
Quando o vizinho de infortúnio ‘são os petistas fanáticos’ eles tem ‘políticos de estimação’, mas quando a praga está no meu quintal é ‘paixão e amor pela camisa!’ (partido), mesmo caindo na segunda divisão. As celas ficarão lotadas de jogadores, mas a torcida ama seus políticos e partidos de estimação, como diziam nas manifestações do ano passado…

MEIRELLES
Andam dizendo que o melhor para o Brasil é o Meirelles, ex-Banco Central. Esse deve entender de como ‘amaciar’ a carne. Saiu do governo e antes de terminar o período de ‘silencio’ foi contratado pela JBS. Depois saiu da JBS para integrar governo do interino Temer e será que ele não sabe nada?

PARA OS FANATICOS DE TODAS AS TORCIDAS POR UM BRASIL MELHOR!
Eu já te falei de tudo, mas tudo isso é pouco, diante do que sinto…

Minh’ alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver
Não és sequer a razão do meu viver
pois que tu és já toda minha vida
Não vejo nada assim enlouquecida…

Passo no mundo, meu amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história, tantas vezes lida!
“Tudo no mundo é frágil, tudo passa…”
Quando me dizem isto, toda a graça
De uma boca divina, fala em mim!
E, olhos postos em ti, digo de rastros:
“Ah! podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como um deus: princípio e fim!…

 

Eu já te falei de tudo, mas tudo isso é pouco,
Diante do que sinto.